Os Milagres

Sumário: 1. Introdução. 2. Conceito. 3. Considerações Iniciais. 4. Caracteres dos Milagres. 5. O Espiritismo Faz Milagres? 6.  Faz Deus Milagres?. 7. A Tese do Sobrenatural como Fundamento das Religiões. 8. Milagres Narrados nos Evangelhos. 9. Casos de Milagres Relatados por Allan Kardec. 10. Explicação de Alguns Casos. 11. Conclusão. 12. Bibliografia Consultada

1. Introdução

O que se entende por milagre? Deus faz milagres? O que é o sobrenatural? O Espiritismo faz milagres?

2. Conceito

No entender das massas, um milagre implica a ideia de um fato extranatural.  No sentido teológico, é uma derrogação das Leis da Natureza, por meio do qual Deus manifesta o seu poder. Etimologicamente, vem do verbo latino mirare, que significa admirar-se, maravilhar-se.  

Para o Espiritismo, o milagre é sempre o coroamento, mas nunca derrogação das Leis naturais, que funcionam igualmente, para todos. É a designação de fatos naturais cujo mecanismo familiar à Lei Divina ainda se encontra defeso ao entendimento fragmentário da criatura.

3. Considerações Iniciais

Para a teologia, os milagres são uma derrogação das leis da natureza.

Há possibilidade de uma derrogação das leis da natureza?

O milagre é sinal de aparecimento de uma nova ordem no mundo – a ordem sobrenatural da salvação.

No Velho Testamento Deus dá este "sinal" ao povo de Israel; no Novo Testamento, Jesus Cristo é o emblema da salvação.

Todos os milagres, realizados por Jesus, nada mais são do que um prolongamento desse milagre inicial, que foi a vinda do Cristo ao mundo. (Enciclopédia Luso-Brasileira de Cultura)

O Espiritismo fundamenta-se nas leis naturais e, como tal, vê de forma diferente a questão dos milagres, elucidando muitos dos que foram considerados milagre.

4. Caracteres dos Milagres

a) Ser inexplicável. Por isso se realiza à revelia da Lei Natural. Conhecida a lei natural, o milagre deixa de existir e o poder dos milagreiros é posto à prova.

b) Ser insólito, isolado, excepcional. Os milagres duram enquanto não se descobre a lei natural implícita em cada um deles. Não é por acaso que a ciência sempre foi vista com desdém pelos monopolizadores dos milagres. Por trás desse fato há o receio de que a descoberta da lei natural possa lhes tirar boa parte de seu poder sobre os seus fiéis. (Kardec, 1975, cap. XIII)

5. O Espiritismo faz milagres?

O Espiritismo veio revelar novas leis e explicar os fenômenos compreendidos na alçada dessas leis. Esses fenômenos se prendem à existência de Espíritos e da sua atuação no mundo material. A isso, dá-se o nome de sobrenatural. Desvendado esse mistério, por força do conhecimento do mundo espiritual e da sua influência sobre o mundo material, o sobrenatural deixa de existir e, por consequência, os milagres que daí decorrem. (Kardec, 1975, cap. XIII)

6.  Faz Deus milagres?

Deus, na sua soberania incomensurável, poderia fazê-los. Será que Ele derroga as leis que Ele próprio criou? Que necessidade teria Deus de fazer milagres? Como Deus não faz coisas inúteis, depreende-se que nada no Universo se produz fora do âmbito das leis gerais. Em outras palavras, Deus não faz milagres, porque, sendo perfeitas as suas leis, não lhe é necessário derrogá-las. (Kardec, 1975, cap. XIII)

7. A tese do sobrenatural como fundamento das religiões

Esta tese é perigosa. Por quê? As verdades do Cristianismo não podem ser construídas apenas sobre o maravilhoso, pois este é um alicerce muito fraco. Suponha que se demonstre que todas as colocações sobrenaturais sejam naturais. Acabar-se-ia a religião. Allan Kardec enfatiza que "o de que necessitam as religiões não é do sobrenatural, mas do princípio espiritual, que erradamente costumam confundir com o maravilhoso e sem o qual não há religião possível". (Kardec, 1975, cap. XIII)

8. Explicação dos milagres narrados nos Evangelhos

A compreensão dos milagres está no estudo dos fluidos. Os fluidos podem ser espirituais ou materiais. Em se tratando do ser humano, fala-se em magnetismo.

Segundo Allan Kardec, a ação magnética pode produzir-se de diversas maneiras:

1) pelo próprio fluido do magnetizador è magnetismo humano;

2) pelo fluido dos Espíritos, atuando diretamente e sem intermediário sobre o encarnado è magnetismo espiritual;

3) pelos fluidos que os Espíritos derramam sobre o magnetizador, que serve de veículo para esse derramamento è magnetismo misto, semi-espiritual ou humano-espiritual. (Kardec, 1975, cap. XIV)

9. Casos de Milagres Relatados por Allan Kardec

Sonhos, Estrela dos Magos, Dupla Vista (Entrada de Jesus em Jerusalém, Beijo de Judas, Pesca Milagrosa, Vocação de Pedro, André, Tiago, João e Mateus), Curas (Perda de Sangue, Cego de Betsaida, Paralítico, Os Dez Leprosos, Mão Seca, A Mulher Curvada, O Paralítico da Piscina, Cego de Nascença, Numerosas Curas Operadas por Jesus), Possessos, Ressurreições (A Filha de Jairo, Filho da Viúva de Naim) Jesus Caminha sobre a Água, Transfiguração, Tempestade Aplacada, Bodas de Caná, Multiplicação dos Pães (O Fermento dos Fariseus, O Pão do Céu), Tentação de Jesus, Prodígios por Ocasião da Morte de Jesus, Aparição de Jesus, após a sua Morte e Desaparecimento do Corpo de Jesus. (Kardec, 1975, cap. XV)

10. Explicação de Alguns Casos

1) A utilização da lama feita de saliva e terra para curar o cego de nascença. Evidentemente, a lama feita de saliva e terra nenhuma virtude podia encerrar, a não ser pela ação do fluido curativo de que fora impregnada. Do mesmo modo, pode-se falar da magnetização da água, servindo de veículo, de reservatório de energia.

2) A perda de sangue. É o caso de uma mulher que sofria, há mais de dez anos, de hemorragia. Somente em tocar a vestes de Jesus, Ele sentira que uma virtude tinha saído dele.

3) A pesca miraculosa. Explica-se pela dupla vista. Jesus não produziu espontaneamente peixes onde não os havia; ele viu com a vista da alma.

4) Jesus caminha sobre as águas. Jesus, embora estivesse vivo, pôde aparecer sobre a água, com uma forma tangível, estando alhures o seu corpo. É a hipótese mais provável. Pode-se, também, explicar o fato através do fenômeno de levitação. (Kardec, 1975, cap. XV)

11. Conclusão

O conhecimento dos princípios fundamentais do Espiritismo descortina-nos novos horizontes. Vimos que o sobrenatural, tão alardeado pela crença religiosa, nada mais é do que uma falsa interpretação da Lei Natural. 

12. Bibliografia Consultada

ENCICLOPÉDIA LUSO-BRASILEIRA DE CULTURA. Lisboa: Verbo, [s. d. p.]

KARDEC, A. A Gênese - Os Milagres e as Predições Segundo o Espiritismo. 17. ed. Rio de Janeiro: FEB, 1975.)

 

 

Copyright © 2010 por Sérgio Biagi Gregório
Blogs e Sites do Autor