Mente Rígida e Autocrítica

SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. Considerações Iniciais. 3. Conceito. 4. Mente Rígida: 4.1. Resistência a Mudanças; 4.2. O Problema da Apatia; 4.3. Preconceito. 5. Mente Flexível: 5.1. Habilidade ou Virtude?;  5.2. Exceção à Regra; 5.3. Caminho do Meio. 6. Autocrítica: 6.1. Espírito Crítico e Espírito de Crítica; 6.2. Senso Crítico; 6.3. Conhecimento de Si Mesmo. 7. Conclusão. 8. Bibliografia Consultada.

1. Introdução

O que é a mente? Quais são os tipos de mente? Como situar a autocrítica? Somos preconceituosos? A nossa mente é aberta ou fechada?   

2. Considerações Iniciais

Desde tempos remotos, o ser humano se move para pensar bem.

Sócrates utilizava a ironia e a maiêutica para construir os seus conceitos.

O principal zelo desses primeiros filósofos era a busca da verdade.

O conhecimento de si mesmo também tem grande peso.

Hoje, fala-se muito em pensar fora da caixa.

3. Conceito

Mente. Não existe uma definição da mente aceite por todos. Contudo, a maioria associará a mente aos processos de percepção, pensamento, recordação e comportamento inteligente.

Mente rígida. É uma mente petrificada, dura, que resiste a mudanças, embora a evidência e os fatos demonstrem o erro.

Autocrítica. Examinar as próprias crenças, valores e comportamentos e descobrir, se houver, o inútil, o absurdo ou o perigoso na nossa maneira de pensar. Nada de preconceitos: só ouvir ativamente. 

4. Mente Rígida

4.1. Resistência a Mudanças

A característica básica das pessoas rígidas é a resistência a mudar comportamentos, crenças ou opiniões, embora os fatos observados demonstrem que estão erradas. As mentes fechadas, excessivamente ancoradas ao passado, atrapalham o progresso da sociedade em que vivem.

4.2. O Problema da Apatia

Apatia tem relação com as mentes líquidas. Líquida: que escapa, que derrama, que toma a forma do recipiente que a contém ou permanece indefinida e inconsciente. Vazia de toda ideia, a mente líquida flerta com o niilismo, não fixa posições nem se compromete.

4.3. Preconceito

Preconceito é um conceito formado antecipadamente. São distorções da mente. Nesse caso, as mentes rígidas são petrificadas, ou seja, depois de formada uma opinião não há quem faça essa pessoa mudar de ideia.

O jurista e filósofo Norberto Bobbio dizia: "Quem estiver livre de preconceitos que atire a primeira pedra".

No filme "A lista de Schlinder", uma prisioneira do campo de concentração chama a atenção do coronel alemão de plantão sobre um erro que está sendo cometido numa construção. O nazista pergunta como sabe tanto sobre o tema e ela responde que é engenheira. O coronel agradece a ajuda e imediatamente manda matá-la. E acrescenta: "Não podemos deixar que eles tenham razão; é melhor eliminar os inteligentes... Mas façamos o que ela sugeriu".

5. Mente Flexível

5.1. Habilidade ou Virtude?

Enquanto a mente rígida está petrificada e fechada à mudança e a mente líquida é gasosa, a mente flexível tem um corpo modificável. Pode-se dizer que é uma virtude, muito mais que habilidade, em que define um modo de vida e permite resistir às pressões do meio.

5.2. Exceção à Regra

As regras existem para facilitar as operações. A perseverança requer um limite para que não se torne fanatismo. Nem tudo que é legal é ético e nem tudo que é ético é legal.

Guarda de um banco de jardim. Fazia 31 anos que um oficial tinha mandado montar guarda junto ao banco, que estava recém-pintado, para que ninguém tivesse a ideia de sentar sobre a tinta fresca.

 5.3. Caminho do Meio

Para o Budismo, uma explicação do nirvana (perfeita iluminação), um estado no qual fica claro que todas as dualidades aparentes no mundo são ilusórias. Diz-se também do processo dinâmico de observação e autoavaliação permanente. É a prática de não-extremismo: um caminho de moderação e distância entre a autoindulgência e a morte.

6. Autocrítica

6.1. Espírito Crítico e Espírito de Crítica

O espírito crítico distingue-se do espírito de crítica. No primeiro, procura-se a verdade de forma amadurecida, ou  seja, estimula-se o progresso mental, pela ponderação  de razões e discussão de motivos. No segundo, desenvolve-se o  espírito de contradição, não no sentido positivo, mas no sentido de que,  uma vez estabelecida a inquietação pessoal, passa-se à inquietação de muitos. Há que se evitar a crítica contumaz e leviana.

6.2. Senso Crítico

A filosofia ajuda-nos a desenvolver o senso crítico, que implica a superação das concepções ingênuas e superficiais sobre os homens, a sociedade e a natureza; concepções essas forjadas pela “ideologia” social dominante. O resultado é a ampliação da consciência reflexiva.

6.3. Conhecimento de Si Mesmo

Sócrates, na antiguidade, falou-nos do conhecimento de si mesmo, que é nada mais é do que autoconsciência de nada saber.

As questões 919 e 919A de O Livro dos Espíritos auxiliam-nos a praticá-la. Santo Agostinho sugere que todas as noites devíamos revisar o dia para ver como fomos em pensamentos, palavras e atos.

7. Conclusão

Façamos uma reflexão sobre o nosso modo de pensar e busquemos aqueles pensamentos retrógrados, obsoletos que insistem em permanecer no fundo do nosso ser.

8. BIBLIOGRAFIA CONSULTADA 

RISO, Walter. A Arte de Ser Flexível: de uma mente rígida a uma mente livre e aberta à mudança. Tradução de Marcelo Barbão. Porto Alegre, RS: L&PM, 2018. 

São Paulo, fevereiro de 2019.

 

Copyright © 2010 por Sérgio Biagi Gregório
Blogs e Sites do Autor