Geração Nova - Educar para o Futuro

Sérgio Biagi Gregório

SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. Conceito. 3. Considerações Iniciais. 4. Geração Nova: 4.1. Sinais Precursores; 4.2. Geração Nova Versus Geração Velha; 4.3. Os Tempos são Chegados; 5. Educar para o Futuro. 5.1. Mudança de Paradigma: 5.2. Modus Operandi; 5.3. Preparar as Crianças e os Jovens. 6. Perspectivas Futuras: 6.1. Esboçar Imagens Otimistas; 6.2. O Bem deve Predominar sobre o Mal; 6.3. A Utopia de um Novo Mundo. 7. Conclusão; 8. Bibliografia Consultada.
 
1. INTRODUÇÃO
 
O que se entende por geração? E geração nova? Haverá cataclismo? O Planeta Terra desaparecerá? Como interpretar as profecias acerca do fim do mundo? Dividimos o tema em três partes, a saber: a geração nova, a educação para o futuro e as perspectivas do futuro.

2. CONCEITO
 
Geração – Ação ou efeito de gerar. Produção de novo ser semelhante àquele que o origina. É a ação de gerar equivalendo à função biológica de reprodução. Desde Aristóteles e até o século XVII admitia-se a teoria da geração espontânea, a partir da matéria inerte, para os animais inferiores, como insetos, vermes ou até ratos. Em 1860, Pasteur a refutou em termos científicos. Segundo a moderna concepção biológica, efetivamente, não há vida antecedente e a geração é uma reprodução. (Enciclopédia Verbo da Sociedade e do Estado)
 
Geração nova – É a humanidade regenerada em que a inteligência e a razão caminham irmanadas com o sentimento inato do bem.
 
Educação – É a transmissão de valores e conhecimento acumulado de uma sociedade. Etimologicamente, provém de duas raízes: 1ª) educare - criar, alimentar; 2ª) educere - direção para fora (mais antigo). Daí surgem dois conceitos diversos e opostos de educação, ou seja, um de fora para dentro (Magister Dixit) - ensino autoritário; outro, de dentro para fora - liberalismo.
 
3. CONSIDERAÇÕES INICIAIS
 
A Geração Nova é um sub-tema do capítulo XVIII, São Chegados os Tempos, do livro A Gênese, de Allan Kardec. Quando os tempos chegarem, haverá grandes acontecimentos para a regeneração da humanidade. Aos incrédulos, nada diz; aos crentes, algo de místico, de sobrenatural. Allan Kardec quer provar que as duas interpretações estão erradas. Ele diz: "A primeira, porque envolve uma negação da Providência; a segunda, porque tais palavras não anunciam a perturbação das leis da Natureza, mas o cumprimento dessas leis".
 
4. GERAÇÃO NOVA
 
4.1. SINAIS PRECURSORES
 
Ouve-se, em todas as partes do mundo, que os tempos são chegados e que grandes acontecimentos ocasionarão a regeneração da humanidade: guerra e rumores de guerra; irmão se levantará contra o irmão; abominação da desolação; choro e ranger de dentes; filhos e filhas profetizarão.
 
Mateus, no capítulo 24, versículos 11 a 14, diz: "Levantar-se-ão muitos falsos profetas que seduzirão a muitas pessoas; – e, porque abundará a iniqüidade, a caridade de muitos esfriará; – mas aquele que perseverar até o fim será salvo. E este Evangelho do reino será pregado em toda a Terra, para servir de testemunho a todas as nações. É então que o fim chegará".
 
4.2. GERAÇÃO NOVA VERSUS GERAÇÃO VELHA
 
A geração nova caracteriza-se pela aquisição da inteligência e da razão, ainda incipientes, juntas ao sentimento inato do bem. Não se comporá exclusivamente de Espíritos superiores, mas daqueles que já tenham feito algum progresso moral e intelectual e se acham em condições de dar continuidade ao progresso já alcançado.
 
A geração velha, composta de Espíritos atrasados, caracteriza-se pela revolta contra Deus, pelo se negarem a reconhecer qualquer poder superior aos poderes humanos. Neles há a propensão instintiva para as paixões degradantes, para os sentimentos antifraternos de egoísmo, de orgulho, de inveja, de vaidade etc.
 
4.3. OS TEMPOS SÃO CHEGADOS
 
Chegado o tempo, haverá grande emigração de Espíritos. Os Espíritos que praticam o mal pelo mal serão recambiados para outros orbes, mais inferiores do que o Planeta Terra. É da lei do progresso que essas coisas acontecem. É que o Planeta Terra também está passando por uma transformação, ou seja, de mundo de provas e expiações para o mundo de regeneração. Neste novo mundo, os Espíritos recalcitrantes no mal não terão mais vez e precisarão ir para outro lugar, para não atrapalhar o progresso dos que aqui estarão reencarnados.
 
Exemplificando: suponha uma comunidade, composta, na sua maioria, de homens turbulentos e indisciplinados, cuja lei penal é difícil de se colocar em prática. Os bons se vêem tolhidos e impossibilitados de agirem em prol do bem. Suponha, por sua vez, que esses Espíritos, voltados ao mal, vão desencarnando 1 a 1, 10 a 10, 100 a 100. Ao mesmo tempo, eles vão sendo substituídos pela reencarnação de Espíritos bons. O que acontecerá? Em pouco tempo teremos uma população totalmente renovada para o bem. (Kardec, 1975, cap. XVIII)
 
5. EDUCAR PARA O FUTURO
 
5.1. MUDANÇA DE PARADIGMA
 
O presente deve ser uma antevisão do futuro e não uma extensão do passado. No passado há paradigmas, que são modelos de pensamentos que nos serviram em um dado momento. Thomas Kuhn, em Estrutura das Revoluções Científicas, diz que os paradigmas não são corrigidos pela "ciência normal"; esta apenas identifica anomalias e crises. De acordo com Kuhn, a mudança de paradigma se dá por uma alteração abrupta, por um salto, por um insight. Em realidade, espelha mais uma nova visão de mundo, totalmente diferente daquela que perdurava até então.
 
5.2. MODUS OPERANDI
 
A educação do futuro deve versar sobre o questionamento e a tomada de consciência de si mesmo. Com isso, teremos que buscar novas fontes de informação, novos rumos para o nosso progresso moral e intelectual. O ser humano não poderá ficar na dependência do outro, inclusive de livros que ditam as normas e os procedimentos de como atuar em sociedade. A educação deve seguir o exemplo de Nietzsche, que orientava a todos os seus leitores a abandonar o livro, depois de lido, tornando-o dispensável como a comida que passa pelo nosso corpo.
 
Educar para o futuro é passar do ensino de massa para o ensino personalizado, do aprendizado simples para o aprendizado múltiplo, da passiva abertura de resposta para a ativa busca de respostas, do treinamento em habilidades e conhecimentos formais para formação de atitudes e opiniões que estimulem a procura do saber, de respostas decoradas para a compreensão do problema e a estimulação ativa do intelecto. Em suma, é desespecializar o cientista da imaginação científica. (Toffler, 1977)
 
5.3. PREPARAR AS CRIANÇAS E OS JOVENS
 
Para que o futuro se concretize, temos que educar as pessoas, principalmente as crianças e os jovens, porque eles permanecerão mais tempo no futuro. Teoricamente, os que estão acima do sessenta ou setenta anos, viverão menos.
 
Presentemente, a educação deixa muito a desejar. Tirando um ou outro caso, a maioria das escolas funciona como uma extensão da unidade familiar.
 
Segundo orientações da psicologia, antes de transmitirmos conteúdos, devemos ensinar o aluno a se comportar como aluno, ou seja, ensinar-lhe o que é ter colegas, o que é agir coletivamente, quais são as posturas físicas e mentais que se relacionam com o conhecimento. A criança deve ser ensinada a viver em harmonia com as diferenças.
 
Preparar o jovem para a geração nova é dar-lhe condições de escolher, com responsabilidade, o seu futuro. Deve-se optar pela flexibilidade e não pela imposição.
 
6. PERSPECTIVAS FUTURAS
 
6.1. ESBOÇAR IMAGENS OTIMISTAS
 
Projetar imagens otimistas aos jovens e aos adultos. Se esboçarmos um mundo tenebroso, a criança vai se lançar ao mundo com essa visão. Como formar um mundo melhor se a nossa mente tem-no como pior? O cérebro – um poderoso reservatório de idéias e pensamentos – tem uma zona, denominada de subconsciente, em que guardamos as lembranças do passado. Se as imagens gravadas, na infância, são negativas, é possível que esta pessoa, na idade adulta, tenha uma visão também negativa do mundo.
 
6.2. O BEM DEVE PREDOMINAR SOBRE O MAL
 
A geração nova mostra-nos que o bem deverá predominar sobre o mal. Como plasmar esse novo mundo? Não é tarefa fácil, porque estamos vivendo no mundo de provas e expiações, em que o mal predomina sobre o bem. Esse quadro se reverterá, visto que o próprio Planeta Terra está passando por uma transformação, ou seja, de mundo de provas e expiações para o mundo de regeneração, em que o bem predomina sobre o mal. Quer queiramos ou não, teremos que conviver com uma maior quantidade de atos bons.
 
6.3. A UTOPIA DE UM NOVO MUNDO
 
A geração nova estará fundamentada nos preceitos evangélicos, inseridos em nossa consciência como uma lei universal. A Lei de Justiça, Amor e Caridade estará sendo praticada na sua maior expressão, porque quando as pessoas se amarem em Cristo Jesus, não haverá mais guerras nem admoestações ao próximo. Não haverá trabalho por fazer, porque cada ser humano irá atender aos anseios da sua consciência bem formada. Não haverá a desigualdade social, mas apenas a desigualdade de mérito. Essa geração nova terá uma outra feição, pois os Espíritos estarão encarnados em corpos mais leves que os atuais.
 
7. CONCLUSÃO
 
Nesse novo mundo, as pessoas sentir-se-ão como que transportadas para um mundo feliz, para um mundo em que a beleza reina em toda a sua plenitude, sem separação de raças, de povos, de sexo. Tudo é harmonia, tudo gira em sintonia com as Leis de Deus.
 
8. BIBLIOGRAFIA CONSULTADA
 
KARDEC, A. A Gênese - Os Milagres e as Predições Segundo o Espiritismo. 17. ed. Rio de Janeiro: FEB, 1975.
POLIS - ENCICLOPÉDIA VERBO DA SOCIEDADE E DO ESTADO. São Paulo: Verbo, 1986.
TOFFLER, A. Aprendendo para o Futuro. Tradução de Jorge Arnaldo Fontes. Rio de Janeiro: Arte Nova, 1977.

 

São Paulo, maio de 2008

Copyright © 2010 por Sérgio Biagi Gregório
Blogs e Sites do Autor