Leitura em Voz Alta

A leitura em voz alta é uma verdadeira arte. Possivelmente, bem mais difícil e complexa do que a representação teatral. Geralmente, não lhe damos muita importância. A leitura em voz alta educa os músculos da fonação e da articulação, disciplinando os movimentos respiratórios.

É de muito maior eficácia e durabilidade o que se aprendeu, ouvindo, que o que se aprendeu, lendo. A memória fixa mais fortemente a palavra ouvida que o vocábulo meramente lido.

Ouça-se como leitor para ter uma ideia do que experimentarão os alunos quando o ouvirem em classe. Além de fixar melhor as ideias, os conceitos, aprenderá a expô-las de modo vivo, elegante sem ser pedante, em frases bem feitas, bem cadenciadas, naturais, agradáveis.

Outro beneficio da leitura em voz alta está em saber-se dosar a voz, adequando-lhe a força à extensão do ambiente.

Todo escritor deverá depois de escrever a sua página, relê-la em voz alta: muitos defeitos que os olhos não viram descobrem-nos os ouvidos educados.

ENCONTRANDO O TOM MÉDIO, AGUDO E GRAVE

“Bom dia, como esta você?” (tom médio da voz).

Depois de chuva forte, encontramos um táxi e perguntamos: “Está livre?” (tom agudo da voz).

Ao virarmos uma esquina, há um encontro inesperado com um bêbado. Dizemos: “Que horror!” (tom grave da voz)

ACENTO TÔNICO

Cada vocábulo tem um só acento tônico. O acento tônico de verdadeiramente é men; o de  fertilidade  é da.  

RITMO DA FRASE

Há uma constante alternativa de silabas fracas e fortes, átonas e tônicas, nas palavras que temos que ler. O Dr. Oliveira Guimarães, diz que nossa língua tende para o ritmo binário e ternário, ora sílaba forte, ora sílaba fraca.

Casa [Ca (forte); sa (fraca)]

Livro [Li (forte); vro (fraca)]

Mesa [Me (forte); sa (fraca)]

Lágrima [Lá (forte; grim (fraca); ma (fraca)]

Lâmpada [Lâm (forte; pa (fraca); da (fraca)]

Víbora [Ví (forte; bo (fraca); ra (fraca)]

Balcão [Bal (fraca); cão (forte)]

Papai [Pa (fraca); pai (forte)]

Azul [A (fraca); zul (forte)

Misericordiosíssimo [Mi (forte); se (fraca); ri (fraca); cor (forte); di (fraca); o (fraca); sí (forte) ssi (fraca); mo (fraca)]

A INFLUÊNCIA DA RESPIRAÇÃO

1) Manter a posição do tórax reta e completamente livre.

2) Nunca se pronuncie um som que seja, quando estiver inspirando.

3) Nunca respire no meio de uma palavra, no meio de uma frase.

4) Nunca esperar que os pulmões se esvaziem completamente de ar para enchê-los.

5) Procurar as vogais, principalmente a conjunção e, quando se vai dar a passagem de um membro da frase para outro e aí respirar.

CONSELHOS PRÁTICOS

1) Nunca emitir um som sem ter os pulmões cheios de ar.

2) Respirar bem. Nunca falar, inspirando.

3) Nunca forçar a voz, principalmente quando se está resfriado ou enfermo.

4) Não falar ao ar livre, máxime, no tempo frio.

5) Evitar o fumo, o álcool, as pastilhas cáusticas, os agasalhos do pescoço.

6) Nunca falar, quando houver barulho ao derredor, para não forçar as cordas vocais.

7) Ficar em silêncio entre uma conversa e outra entre uma em voz alta e outra consecutiva, e muito mais entre dois discursos. As cordas vocais necessitam de repouso.

8) Parar imediatamente ao se sentir cansado.

9) Nunca atender a bis.

Extraído de:

BUENO, Silveira. Manual de Califasia, Califonia, Calirritmia, e a Arte de Dizer. 7. ed., São Paulo: Saraiva, 1966,

Copyright © 2010 por Sérgio Biagi Gregório
Blogs e Sites do Autor