Materialismo Dialético e Espiritismo

1. DIALÉTICA

Para Aristóteles a dialética é um simples anexo da lógica, o meio de comunicar aos outros a verdade que descobrimos por um exame feito de acordo com as leis da lógica.

Para os estóicos e para os escolásticos da Idade Média dialética e lógica eram a mesma coisa.

Hegel restaurou o termo no seu significado antigo, e chamou dialético o seu sistema porque buscou mostrar a insuficiência do uso dos conceitos segundo a lógica tradicional de Aristóteles.

Para ele, a verdadeira ciência do pensamento coincide com a ciência do ser; a razão absoluta está acima do princípio de contradição, a dialética procede por tese, antítese, e síntese (1).

2. A DIALÉTICA HEGELIANA

O ponto de partida é o Ser, indeterminado, absoluto, pura potencialidade - TESE. Mas é um conceito vazio de realidade e, por isso, identifica-se ao não-ser-antítese. Necessita sair dessa contradição e se atualiza no devir - síntese.

Hegel parte, assim, do princípio fundamental de que a evolução da idéia se faz pela combinação dos contrários, no devir perpétuo, porque esta é a síntese do Ser e do não-ser.

“Tudo é inteligível pelo Ser que, idêntico em seu fundamento ao Espírito ou Idéia Infinita, manifesta-se no universo concreto graças ao movimento dialético” (2).

3. DO MATERIALISMO DIALÉTICO AO MATERIALISMO HISTÓRICO

A dialética idealista de Hegel mostra que o elemento causador é o Espírito. A matéria é um epifenômeno.

Feuerbach (1775-1833), discípulo de Hegel, nega a divindade e inverte a dialética de Hegel. Para ele a matéria é origem de tudo e o Espírito é um epifenômeno.

Karl Marx (1818-1883) estuda a filosofia de Hegel e de Feuerbach, observa a luta de classes na Inglaterra, nota o processo da Revolução Francesa e cria o materialismo histórico, onde o modo de produção é que determina a religião, a arte, a forma familiar etc. (3).

4. O MATERIALISMO HISTÓRICO

O materialismo histórico pode ser resumido da seguinte forma:

a luta de classes  - escravos lutando contra os senhores - numa sociedade escravagista levaria esta à sociedade feudalista; a luta dos vassalos contra os senhores feudais, levaria esta sociedade ao capitalismo; o proletariado nesta sociedade, lutando contra os capitalistas burgueses, levaria ao comunismo.

O Comunismo seria uma sociedade igualitária, onde não haveria a exploração do homem pelo homem.

Em termos práticos, vimos a instituição do comunismo na Rússia e China, países pré-capitalistas (3).

5. MARXISMO E ESPIRITISMO

Para o Marxismo, o socialismo é implantado pela luta de classes; para o Espiritismo, pelas classes de luta.

Para o marxismo, a felicidade do indivíduo estaria presa aos proventos materiais do trabalho (salário); para o Espiritismo, além dos proventos materiais do trabalho, deve-se levar em conta as necessidades de evolução espiritual.

Para o Marxismo, que é uma doutrina existencialista, a vida futura é o niilismo, portanto sem vinculação palingenésica com o processo histórico; para o Espiritismo, que prega a individualidade da alma após a morte, há uma vinculação com o processo histórico - o ontem, o hoje e o amanhã se entrelaçam.

6. IMPLANTAÇÃO DO SOCIALISMO CIENTÍFICO

As premissas espíritas indicam-nos que a implantação de um socialismo científico se daria de forma natural, sem que o indivíduo precise pegar nas armas, como parece implicar a revolução do proletariado preconizado por Karl Marx.

A mudança comportamental que o processo de evolução requer é o fator preponderante para a humanidade atingir o ponto mais alto do equilíbrio físico, psíquico e espiritual.

Nesta situação, o homem deixará de explorar o seu semelhante e tratará de compreender que todos somos úteis no concerto do Universo.

MATERIALISMO HISTÓRICO E ESPIRITISMO 

Materialismo - Em filosofia, é a concepção de mundo onde a matéria é o motor do universo e a idéia sua conseqüência. Materialismo histórico - doutrina do marxismo, que afirma que o  modo de produção da vida material condiciona o conjunto de todos os processos da vida social, política e espiritual.

O materialismo histórico pode ser resumido da seguinte forma: numa sociedade escravagista, os escravos rebelando-se contra os senhores, convertê-la-ia em sociedade feudalista; no Feudalismo, os vassalos insurgindo-se contra os senhores feudais, torná-la-ia uma sociedade capitalista; no Capitalismo, os proletariados lutando contra os empresários, tranformá-la-ia em sociedade comunista. O Comunismo seria uma sociedade igualitária onde não haveria a exploração do homem pelo homem. 

O comunismo, para Marx, seria a sociedade perfeita, a síntese final do processo de evolução dialética dos povos. Mesmo imbuído de boas intenções cometeu vários equívocos: não previu a divisão da propriedade corrigindo acumulação das riquezas, as novas tecnologias que aumentam a produtividade da mão de obra e a força sindical que melhora os salários. Em termos práticos, o comunismo foi implantado na Rússia e China, países pré-capitalistas: fato histórico que nega a suplantação do capitalismo.

O Espiritismo, como processo libertador de consciências, auxilia-nos a compreender melhor os acontecimentos da vida. A luta de classes preconizada por Marx, transforma-se, na visão espírita, em classes de luta. Os adeptos do marxismo entendem que o povo explorado só pode melhorar sua situação se pegar em armas e instalar uma revolução. No Espiritismo, tanto o proletariado como o empresário devem suplantar a si mesmos. Agindo assim, obtém-se um relacionamento amigável entre patrão e empregado.

Allan Kardec em O Livro dos Espíritos, ao tratar da Lei de Igualdade, descortina-nos novos horizontes para a interpretação da vida social. Diz-nos que as desigualdades sociais deverão desaparecer, quando a humanidade tiver dominado o orgulho e o egoísmo. Vencidos esses vícios, restaria a desigualdade de mérito, a única que é conseguida pelos esforços próprios de evolução espiritual.

Para o Espiritismo, o socialismo científico se implantaria de forma natural, sem que o povo precisasse de pegar em armas. A mudança comportamental é o fator preponderante. Quando a humanidade tiver atingido um estado de evolução espiritual superior, o homem deixará de explorar o seu semelhante. Compreenderá que todos somos úteis no concerto do universo.

QUESTÕES

1) Defina dialética.

2) O que é a dialética hegeliana?

3) O que se entende por materialismo dialético?

4) Como surgiu o materialismo histórico?

5) Qual o fundamento básico do marxismo?   

TEMAS PARA DEBATE

1) Marx e Kardec.

2) Socialismo científico e mudança comportamental.

3) Materialismo e Espiritismo.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

(1) ENCICLOPÉDIA.

(2) SÃO MARCOS, M. P.  Noções de História da Filosofia.

(3) TALHEIMER, A.  Introdução ao Materialismo Dialético.

São Paulo, dezembro de 1996

 

Copyright © 2010 por Sérgio Biagi Gregório
Blogs e Sites do Autor